Quinta edição da "Corrida Saúde Cassems" arrecada alimentos para instituições filantrópicas
quinta-feira, 24 de setembro de 2015 - por Gustavo de Deus
No dia 04 de outubro, acontece a “V Corrida Saúde Cassems” e, assim como é feito desde a segunda edição, a inscrição inclui 2 kg de alimentos não perecíveis que serão repassados a entidades filantrópicas. Neste ano, as instituições beneficiadas serão: ACPD, Cotolengo Sul-matogrossense, Afrangel, Abrec e AACC. Desde o início da parceira com as entidades, a Corrida Cassems arrecadou cerca de 10 toneladas de alimentos. Conheça um pouco das instituições beneficiadas.

ACPD - Associação Campo-grandense da pessoa com Deficiência

A Associação Campo-grandense da pessoa com Deficiência (ACPD) foi fundada em 17 de julho de 1980. Esta é uma instituição não governamental, sem fins lucrativos e tem como objetivo defender os direitos da pessoa com deficiência, com resgate da autoestima, visando promover o pleno exercício da cidadania.

Os atendimentos são realizados sem limite de idade e são, em sua maioria, oriundos de famílias de baixa renda, excluídos da sociedade e dos meios de produção. A instituição oferece meios para o desenvolvimento da pessoa com deficiência na sua própria comunidade, elevando o seu padrão de saúde física, mental e social.

Cada pessoa recebe o suporte da entidade conforme suas necessidades. A ACPD acolhe grande parte dos tipos de deficiência, com exceção dos deficientes visuais, auditivos e os autistas. Alunos da rede municipal, estadual e famílias que recorrem à entidade são os principais públicos atendidos.

As crianças visitam a instituição conforme agendamento, geralmente, uma vez por semana, para receber cuidados nas áreas de Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Fisioterapia, Psicologia. A partir dos 18 anos, os associados à ACPD realizam atividades em sala de aula de segunda a sexta, além de encaminhamento para o mercado de trabalho e solicitação de aposentadoria com assessoria jurídica.
Em parceria com outras instituições, a ACPD busca a inclusão social dos seus, oferecendo-lhes condições de trabalho, esporte e lazer, resgatando sua autoestima enquanto cidadão, dando-lhes a real dimensão da importância de sua participação social e política no meio em que se encontra inserido.

A instituição avalia as capacidades individuais, estimula aspectos cognitivos (atenção, cognição, memória e raciocínio), fortalece posturas adequadas trabalhando simetria corporal, propicia adaptações necessárias para melhorar a postura, aumentando sua habilidade de manuseio, melhora ou mantém a amplitude de movimento global, proporciona o reconhecimento corporal, trabalha a imagem e esquema corporal, promove atividades de socialização, como o teatro, a dança e dinâmicas de grupo, além de orientações para a vida diária (higiene, alimentação e vestuário), entre outras atividades para o desenvolvimento da pessoa com deficiência.
 
A ACPD busca ajuda através de profissionais voluntários e doações de alimentos, roupas, materiais para mobilidade e escritório. A instituição está localizada na Rua do Porto, 658, Coophavilla II ou pelo telefone (67) 3025-4547. Faça sua parte e colabore com a ACPD!

Cotolengo Sul-Matogrossense

O Cotolengo Sulmatogrossense surgiu em Campo Grande no ano de 1996. A instituição atende pessoas com paralisia cerebral grave, altamente dependentes de terceiros. O Cotolengo foi criado pelos padres da Pequena Obra da Divina Providência, congregação religiosa fundada por São Luís Orione.

Cotolengo é o nome de um Santo Italiano - São José Benedito Cotolengo - que fundou na cidade de Turim, Itália, uma casa muito grande para abrigar pessoas com deficiência mental. O religioso São Luís Orione quis que esse trabalho se espalhasse pelo mundo e, em homenagem ao Santo inspirador, deu nome a essas obras de “Pequenos Cotolengos”, os quais estão hoje presentes em mais de 36 países.

Hoje, a instituição atende cerca de 30 pacientes com idades de 02 a 25 anos, que passam o dia no local durante a semana, recebendo alimentação e cuidados adequados, como atividades orientadas e acompanhadas por profissionais de acordo com a necessidade de cada um, além de, aproximadamente, 80 pessoas que são atendidas por profissionais nas áreas de fisioterapia, terapia ocupacional e fonoaudiologia conforme haja procura. O Cotolengo se mantém através de doações de pessoas físicas e jurídicas, apoio dos órgãos públicos e privados, promoções sociais, profissionais voluntários, convênios e bazar beneficente.

Para receber atendimento, são exigidos os seguintes critérios: ter lesão cerebral grave diagnosticada por um médico, ser totalmente dependente das atividades de vida diária, não ser atendido por nenhuma instituição congênere, entre outros. As pessoas acolhidas pela entidade realizam o tratamento da paralisia cerebral grave com o médico responsável fora da instituição e a mesma segue os cuidados indicados e acompanha o dia a dia destas pessoas que precisam de tratamento contínuo e especial. Desta forma, há a necessidade de ampliar as estruturas de atendimento e de profissionais e para fazê-los com qualidade, a entidade recebe ajuda de várias formas, já que as despesas são grandes e as receitas são insuficientes. Acesse www.cotolengo.com.br, clique em Como Ajudar e faça sua parte!

Afrangel - Lar das Crianças com HIV/Aids

O Lar nasceu do desejo da fundadora, Maria Aparecida, em criar uma instituição para atender soropositivos. Mesmo se deparando com várias dificuldades, Aparecida não desistiu e, no dia 27 de setembro de 1996, o Lar foi fundado oficialmente e batizado de Associação de Apoio a Portadores de Aids – Esperança no Senhor (AAPAES).

Inicialmente, o objetivo era atender adultos portadores do HIV, mas outro desafio foi lançado aos voluntários: atender crianças, muitos filhos dos adultos assistidos e que também eram soropositivos. Entre os anos de 1999 e 2000, os trabalhos da obra passam a ser dedicados às crianças, no entanto, a assistência da AAPAES continuou atendendo mais de 100 famílias de soropositivos em suas residências.
Em meados de 2001, a Associação Franciscanas Angelinas assumiu a direção da entidade, que passou a se chamar Afrangel Já sob o comando das irmãs, o Lar conclui a construção de sua sede própria e em 2003 o prédio é inaugurado no local onde até hoje permanece: Rua do Seminário, 2.170, no Jardim Seminário, onde recebem as doações. Por mais de um ano, a entidade manteve as duas casas funcionando, prestando atendimento e fornecendo abrigo tanto para adultos quanto para crianças portadoras de HIV.

Dessa forma, o Lar passou a se dedicar apenas as crianças, cujos pais ou responsáveis não possuem condições financeiras ou emocionais para criá-las ou educá-las, bem como de proporcionar um tratamento adequado. A Afrangel funciona em regime de internato durante a semana, ou semi-internato durante o dia, sendo que, nos finais de semanas os mesmos ficam sob a responsabilidade de seus familiares. As crianças e adolescentes assistidos pela entidade recebem educação, alimentação e cuidados médicos. A Afrangel – Lar das Crianças com Aids fica na Rua do Seminário, 2170, no Jardim Seminário. Os interessados em realizar doações ou participar do ‘Projeto Padrinho’ pode se dirigira ao local, ou entrar em contato pelos telefones (67) 3365-0590 ou 3365-8368.

Abrec – Associação Beneficente dos Renais Crônicos

Uma equipe de profissionais na área da saúde e voluntários com uma vontade enorme de oferecer a mão amiga ao doente renal crônico carente resolveu criar, uma associação, cujo objetivo era o de aumentar a qualidade de vida de um paciente renal enquanto aguarda por um transplante.  Assim, o espaço da Associação Beneficente dos Renais Crônicos (Abrec) nasceu, em 1988, numa pequena sala na Clínica Campo Grande. Neste espaço foi montada uma sede social e a partir daí o caminho foi promissor, pois este grupo de pessoas focadas na questão social se engajou nesta luta e, aos poucos, a entidade foi se fortalecendo.

A Abrec ficou na Clínica até ser transferida para uma sede provisória na Rua Antônio Maria Coelho, entre as ruas, Rui Barbosa e Pedro Celestino. Era um local simples, pequeno e aconchegante onde os pacientes começaram a tê-lo como a sua segunda casa. Lá, a associação perdurou por 12 anos, mas a luta não parou por aí e o sonho de ter uma sede própria que oferecesse o que um renal crônico realmente precisava, aumentou e foi se solidificando.

Em 2005, a Abrec ganhou um terreno do governo de Mato Grosso do Sul e iniciou a construção do seu grande sonho: a sede própria. Aos poucos, o que era apenas um projeto começou a se transformar em realidade, os tijolos deram formas às paredes e ao sonho de toda a diretoria. Em três etapas, a obra foi se completando e, finalmente, a sede própria foi finalizada em 2008. Muita dedicação, parcerias, a realização de vários eventos para angariar fundos, dificuldades e a soma de esforços dos padrinhos, madrinhas, parceiros, amigos e voluntários marcaram essa construção de peso.

Hoje, a sede está totalmente concluída e oferece um tratamento multidisciplinar digno para as centenas de renais crônicos carentes de Campo Grande e do interior do Estado. Aos poucos, a entidade está conquistando seus objetivos, mas também sempre surgem novas oportunidades e ideias. Portanto, como toda associação beneficente, que sobrevive de doações, toda ajuda é sempre bem vinda e fundamental para que esta causa possa ser levada adiante.

É de fundamental importância aos portadores de doenças renais um acompanhamento multidisciplinar e na Abrec, os pacientes têm acesso a tudo isso em um único local. A instituição procura garantir a saúde e o bem-estar de todos. As metas de intervenção são variadas com o objetivo de propiciar novas possibilidades de conviver com a doença, trabalhar o preconceito e melhorar a aceitação do seu estado clínico.
O primeiro contato do paciente é com a assistente social que faz um levantamento de suas condições econômicas, de suas deficiências e necessidades, além de conhecer seu relacionamento e apoio familiar, fundamental no acompanhamento da doença. A entidade procura atender o paciente como um todo, priorizando o acolhimento social a toda família do renal crônico, portanto, acaba-se atendendo a mais de 850 pessoas. A Associação Beneficente dos Renais Crônicos de Mato Grosso do Sul (Abrec) fica na Rua Geraldo Agostinho Ramos, 781, no Jardim TV Morena. Interessados em ajudar com doações pode se dirigir à sede da Abrec ou entrar em contato pelo telefone (67) 3342-1713. Para falar com a equipe da entidade, além do telefone, está disponível o Twiter @abrecms, página no Facebook www.facebbok.com/abrec.matogrossodosul ou pelo site www.abrec.com.br.

AACC/MS – Associação dos Amigos das Crianças com Câncer

Fundada em 29 de março de 1998, a AACC/MS é uma instituição sem fins lucrativos, que recebe crianças e adolescentes com câncer, de 0 a 19 anos, vindos de todo estado de MS e estados vizinhos.  Tem como atividade principal Assistência Social, classificada como “Abrigo Institucional Provisório-Alta Complexidade”, e como atividades secundárias Saúde e Trabalho/Renda.

Primeira organização beneficente no Mato Grosso do Sul a assinar, junto a ONU, o termo de adesão ao Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade, a AACC/MS assumiu o compromisso de contribuir com a qualidade de vida e saúde, de encontro com as metas dos ODM, criadas pelas Organizações das Nações Unidas, principalmente com a 4º meta: “Reduzir a mortalidade infantil”.

A instituição possui sede própria com: 14 quartos com banheiros ( 2 beliches, armário, TV), 2 quartos para transplantados com banheiros e mini cozinha (2 camas, frigobar, microondas, TV, bancada para estudo), 2 cozinhas para atender pacientes e funcionários, refeitório, área de convivência dos pacientes e acompanhantes, lavanderia, área de convivência dos funcionários, 1 cozinha industrial, 1 cantina, 2 bazares, 1 estoque de alimentos, 1 almoxarifado, área administrativa, auditório com áudio/vídeo com capacidade para 125 pessoas, sala de artesanato, sala de informática, salão de beleza, telemarketing, sala de descanso, brinquedoteca, adoloteca e ampla área verde.
O câncer hoje é a segunda causa de morte da criança no Brasil, quando a AACC/MS foi fundada, as taxas de cura do câncer infantojuvenil no estado de Mato Grosso do Sul era de 2%, hoje, em parceria com o Hospital Regional de MS-CETOHI,  comemoramos o índice de 67% de cura.

Única casa de apoio no estado a atender criança e adolescente com câncer, presta relevantes serviços a família durante todo o tratamento com durabilidade média de 2 a 5 anos e para sua sustentabilidade conta com parcerias, convênios, campanhas, eventos e doações realizadas pela comunidade sul-matogrossensse. A AACP fica na Avenida Ernesto Geisel, 3475, no Bairro Orpheu Baís.O telefone é (67) 3322.8000.